SOU FORTE, SOU GUERREIRO, SOU BRASILEIRO!

SOU FORTE, SOU GUERREIRO, SOU BRASILEIRO!
Enquanto Houver Razões Eu Não Vou Desistir

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Professor diz que “homossexualismo” é “aberração” e é afastado

Aluno do Centro Universitário de João Pessoa (PB) denuncia, em suas redes sociais, declarações homofóbicas de docente, feitas durante aula do curso de Direito. Ele chegou a afirmar que “homossexualismo” é “perversão sexual”
Da Redação*
Depois de declarar, durante uma aula, que “homossexualismo” é “perversão sexual” e “aberração”, um professor universitário de 80 anos foi afastado de suas funções em um estabelecimento de ensino privado, em João Pessoa, na Paraíba. O desligamento foi divulgado pela direção do Unipê (Centro Universitário de João Pessoa), um dia depois da denúncia feita pelo aluno Diógenes Dantas, em suas redes sociais. Em menos de 24 horas, a postagem havia obtido mais de 1.600 compartilhamentos.
Segundo o estudante, em uma aula de medicina legal do curso de Direito, que abordava perversões sexuais, o professor Alírio Batista “reduziu a dignidade de integrantes do grupo LGBTQ+ ao adjetivo aberração”. Dantas continuou o relato, dizendo que, por várias vezes, o professor usou o termo homossexualismo, quando deveria ser homossexualidade. O termo homossexualismo é mal visto pelos movimentos de defesa de direitos humanos por remeter à época em que a homossexualidade era vista como uma doença pela sociedade.
“No final da aula pedi a devida licença para um adendo, informando respeitosamente que a aula ministrada estava atrasada em pelo menos 20 anos, uma vez que a homossexualidade (termo correto) não era considerada uma doença há muito tempo, sendo, inclusive, retirada da lista de doenças da OMS. Em resposta, o professor reiterou que continuaria a propagar o seu posicionamento, pois a matéria, de acordo com Batista, sustentava ser uma aberração”, finalizou Dantas em seu texto.
Batista, também pelas redes sociais, tentou se defender e disse que não manifestou “qualquer opinião de cunho pessoal sobre o tema, que viesse a justificar alguns adjetivos criados por terceiros, a exemplo de homofóbico”. O professor encerra seu posto pedindo desculpas a quem possa ter ofendido.
*Com informações do UOL
Foto: Paulo Pinto (Fotos Públicas)
Matéria vinculada em 30 de junho de 2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário