SOU FORTE, SOU GUERREIRO, SOU BRASILEIRO!

SOU FORTE, SOU GUERREIRO, SOU BRASILEIRO!
Enquanto Houver Razões Eu Não Vou Desistir

domingo, 16 de dezembro de 2018

HÁ EXATAMENTE 90 ANOS NASCIA O PAI DAQUELA QUE ME DEU 2 LINDOS FILHOS! ANTONIO GOMES BARBOSA!!!

Há exatamente 90 anos (16/12/1028), nascia ANTONIO GOMES BARBOSA, mas conhecido como Seu Barbosa, ou mesmo Seu Barbosa do Manguzá! Homem trabalhador, honesto, pai de Nizia, Neilson (Peu), Nerice ,Nedson, e Isadora! homem do nordeste, nascido em Pernambuco (Orobó), Sertão Pernambucano, que vei para Nova Cruz trabalhar na Estação Ferroviária e ao se fixar em Nova Cruz, conheceu Maria Alexandre, filha do saudoso Alexandre, Em seguida casou-se com DONA MARIA, com quem teve 5 filhos, uma filha veio a falecer.

Com muito trabalho criou seus 4 filhos. Naquela época as coisas eram muito difícil, o que o levou a procurar mais uma fonte de renda para melhorar e dá mais condições de vida para os seus filhos. Uma desta fonte de renda foi a venda de MANGUZÁ! Por isso que até hoje ainda é conhecido como SEU BARBOSA DO MANGUZÁ !

Com isso conseguiu criar e muito bem seus filhos!

Sinto-me um pouco triste, pois o mesmo HOJE se encontra internado no Hospital Municipal Monsenhor PEDRO MOURA - Nova Cruz...Mas graças a Deus passa bem! Neste momento seus filhos, netos e sua esposa, Maria estão cantando parabéns, com direito a bolo e tudo! Uma lembrança ímpar! Emoções e mais Emoções!

Registro essas singelas palavras para registrar o carinho, amor e respeito que tenho a ele e por hoje também pertencer a esta linda e exemplar família.

Que DEUS o ilumine e que possa sempre está iluminado com as bençãos divinas! PARABÉNS SEU BARBOSA, PARABÉNS MEU SOGRO, PARABÉNS, GRANDE AMIGO

‘Caern deve ser privatizada, mas é insuficiente diante do rombo no Estado’, diz Bira Rocha



Resultado de imagem para imagem da caern
Por Robson Pires
O empresário Abelírio Rocha não ficou por longos período em cada um dos cargos públicos que ocupou. Mas acumulou experiência ao comandar a Secretaria Nacional de Irrigação e as Secretarias Estaduais de Agricultura e, depois, de Planejamento. Além disso, presidiu a Federação das Indústria do Rio Grande do Norte (Fiern). Coube a Bira Rocha, como é conhecido, conduzir uma ampla reforma administrativa no Estado, em 1995, no início do primeiro governo Garibaldi Filho. Na época, havia desequilíbrio financeiro e risco de colapso, diante do déficit nas contas públicas.
Foram apenas cinco meses no cargo de secretário de Planejamento. Mas um período suficiente para executar um ajuste que extinguiu empresas, mudou regimes tributários, cortou 40% dos cargos comissionados e definiu mecanismos rígidos de controle das despesas. A meta era chegar ao fim do primeiro semestre com o equilíbrio das contas. Um mês antes, o objetivo foi atingido.
Agora, com o Estado em uma situação ainda mais grave, ele considera que não há alternativa que não seja o novo governo, também nos primeiros meses, adotar medidas duras para diminuir despesas e aumentar receitas. Bira Rocha defende a privatização da Caern, mas reconhece que a venda da companhia a investidores privados não seria suficiente para o Estado voltar a pagar em dia os servidores e investir. “O Estado está com um buraco tão grande, que só a Caern privatizada não consegue tapar”, comentou.
A privatização da Caern seria uma das medidas para enfrentar a crise do Estado?
Em parte. O Estado está com um buraco tão grande, que só a Caern privatizada não consegue tapar. Quando a Cosern foi privatizada, os recursos não foram para tapar buraco. Foram para investir em algo que assegurou ao Rio Grande do Norte o que está aí com as adutoras. O Estado tem uma rede de adutoras muito grande. Na época, construiu estrategicamente obras de recursos hídricos. Assegurou a conclusão da Barragem Santa Cruz (no município de Apodi, região Oeste) e depois o Estado foi ressarcido. Se não fossem essas obras, a seca teria consequências ainda mais graves. Também foi usado [recursos da privatização da Cosern] na reforma e ampliação do Aeroporto de Parnamirim. Poucos lembram mas não havia voos internacionais por falta de condições do aeroporto. O investimento feito melhorou essa infraestrutura. Hoje, se privatizar a Caern talvez não dê nem para o buraco da Previdência. A situação, então, está pior.
TRIBUNA DO NORT

Funcionários de Flávio Bolsonaro repassaram até 99% dos salários

BolsoPrometo.jpg
Publicada pelo Estadão: e Conversa Afiada
Do Estadão:Uma análise na movimentação financeira de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do deputado estadual Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio, mostra indícios de que pelo menos uma funcionária pode ter depositado em sua conta o equivalente a quase tudo que recebeu na Casa no período agora sob investigação. Foi esse o caso de Nathalia Melo de Queiroz, filha do ex-servidor que, no período investigado, repassou a ele R$ 97.641,20, hipotético crédito mensal médio de R$ 7.510,86.

A quantia equivale a 99% do pagamento líquido da Alerj a Nathalia em janeiro de 2016, segundo a folha salarial do Legislativo fluminense. Como não há dados sobre a movimentação financeira total de Nathalia, não é possível dizer com certeza que o dinheiro teve como origem exclusivamente os pagamentos da Alerj.

Os cálculos são por aproximação. Para fazê-los, o Estado usou o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) da Operação Furna da Onça e consultou a folha salarial da Casa.

O órgão federal mostrou que no período investigado Nathalia transferiu os R$ 97.641,20 para a conta do assessor de Flávio. A cifra foi dividida pelos treze meses investigados para obter a média mensal, que foi comparada com três valores. Um foi o pagamento líquido recebido em janeiro de 2016 por Nathalia na Alerj: R$ 7.586,31. No confronto com o bruto, R$ 9.835,45, chegou-se a um repasse de 77,14%. Cotejada com a renda usada pelo Coaf, R$ 10.502,00, o porcentual foi de 72,23%.

A renda considerada pelo Coaf, possivelmente, incorpora valores que não constam da folha de janeiro da Alerj ou rendimentos obtidos por Nathalia de outras fontes. Todos as cifras, porém, mostram porcentuais altos de repasse.

Nathalia trabalhou na Alerj de setembro de 2007 a dezembro de 2016. Depois foi trabalhar como assessora no gabinete parlamentar do hoje presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), na Câmara dos Deputados. Foi exonerada em 15 de outubro, mesmo dia em que seu pai foi desligado do gabinete de Flávio. Oficialmente, o motivo foi a aposentadoria de Queiroz como PM. Reportagem publicada nesta sexta-feira, 14, pela Folha de S. Paulo mostrou que Nathalia, enquanto era funcionária, trabalhava como personal trainer no Rio. 

O deputado tem se defendido, afirmando não ter cometido nenhuma irregularidade. O presidente eleito já disse que caberá a Queiroz explicar sua movimentação financeira – de mais de R$ 1,2 milhão no período.

(...) Outra servidora que repassou a Queiroz grande parte do que recebeu foi Márcia Oliveira de Aguiar, mulher do ex-assessor. Os valores somam R$ 52.124,00 – uma média (total dividido por treze meses) de R$ 4.009,23. Isso não quer dizer que tenham sido feitos rigorosamente repasses mensais – o documento do Coaf não traz esse detalhe –, mas permite afirmar que Márcia repassou porcentuais que equivalem de 31% a 46% do que recebeu por mês no período.

Outra servidora, Luiza Souza Paes, fez transferências equivalentes a porcentuais que variam de 24,8% a 33,5% do salário no período. Sua renda, segundo o Coaf, era de R$ 3.479 mensais e a transferência média era de R$ 863,53. Já Jorge Luís de Souza, que tinha salário bruto de R$ 5.486,76, fez depósito mensal médio de R$ 1.573,46 – porcentuais respectivos de 7,69%, 28,67% e 32,46%.

O Estado mostrou que 57% dos depósitos feitos na conta de Fabrício Queiroz investigada pelo Coaf ocorreram no dia do pagamento dos salários na Alerj no período investigado, ou até três dias úteis depois. (...)

O único milagre de João de Deus, um charlatão milionário, foi enganar tanta gente por tanto tempo _+_+_ Michel Temer foi “paciente” do médium João de Deus


João de Deus entre Ronaldo Fenômeno e a modelo Celina Locks
Esta reportagem do Hypeness foi publicada originalmente em 2014. Ganha atualidade com a fuga do curandeiro picareta João de Deus, acusado do abuso sexual de mais de 200 mulheres.
Em 25 de outubro desse ano, um programa de televisão australiano chamado “60 Minutos” (em tradução livre) contou a história da cética investigação que a jornalista Liz Hayes fez sobre o enigmático João Teixeira de Faria, mais conhecido como “João de Deus”, em 1998.
O brasileiro ficou internacionalmente conhecido depois de ser promovido por ninguém menos que a apresentadora norte-americana Oprah Winfrey, uma das mais famosas do mundo, como um médium que canalizava os espíritos de médicos mortos e os usava para realizar curas milagrosas em pessoas das mais diversas nacionalidades que o visitavam em sua “Casa”, em Abadiânia, Goiás.
Aqui está um resumo do que foi revelado nesta investigação, embora o título desse artigo já dê uma boa dica do que você vai encontrar aqui pela frente.

Parte 1 do caso João de Deus

Na parte 1 da reportagem, o repórter Michael Usher revelou que uma mulher declarada como curada de um câncer de mama por uma entidade espiritual canalizada por João de Deus morreu em 2003. Uma outra mulher em uma cadeira de rodas com esclerose múltipla que, na pesquisa de Hayes realizada em 1998, visitou João com a expectativa de andar novamente, disse não ter sentido qualquer efeito do “tratamento” e obviamente ainda está em uma cadeira de rodas.
Na verdade, sua condição até piorou. Mas se você é desses que diz “não custava nada tentar”, bem, você está enganado. Essa brincadeira de sair lá da Austrália para vir até o “consultório” de João de Deus saiu por 5 mil dólares australianos. Algo que ultrapassa tranquilamente os 10 mil reais. A matéria de Usher também conta que nenhum dos outros australianos (que vieram em um grupo de 40 pessoas) sentiram qualquer melhora após a consulta.
O relatório do jornalista Usher também mencionou que alguns dos milhares de pacientes de João também esperavam receber uma tal de “cirurgia espiritual” com ele, 3 vezes na semana. Essas práticas, tais como a inserção de tesouras (ou pinças) de profundidade em um nariz, e raspar um olho sem anestesia, foram registradas em histórias anteriores sobre João. Parece cruel, não? João também foi mostrado diversas vezes fazendo várias incisões na pele de seus “pacientes” sem demonstrar o menor respeito por procedimentos anestésicos ou de esterilização de materiais.
Para o médico David Rosengren, “o mundo da medicina moderna não pode tolerar esse comportamento de forma alguma”. Fácil de concordar com ele, não? Até porque um procedimento como esse pode custar bem mais caro – se a gente partir do pressuposto que uma vida vale bem mais de 5 mil dólares.

No decorrer da matéria, Usher esclarece a questão dos valores cobrados.

A consulta com o João de Deus era gratuita, mas muitas vezes ele prescrevia visitas a uns leitos de cristal [que contavam com luzes coloridas brilhando sobre eles], que custavam US$ 25 por sessão. Isso gerava uma receita de aproximadamente 1.8 milhão de dólares por ano. Nada mal. Havia também a “água abençoada”, que custava cerca de um dólar por garrafa.
O consultório também contava com uma loja de presentes e uma farmácia, que vendia pílulas abençoadas de ervas (apenas disponíveis sob prescrição João de Deus, aparentemente). Uma caixa saía por US$ 25, o que garantia uma receita de US$ 40.000 POR DIA. Isso significava mais de US$ 14 milhões por ano (R$ 36,15 mi no câmbio atual).
Usher ressalta que foi comprovado que as pílulas não eram nada além de maracujá.
De acordo com o Natural Medicines Comprehensive Database (banco de dados de medicina natural, em tradução livre), o maracujá é “possivelmente seguro quando usado por via oral e de forma adequada para fins medicinais de curto prazo”, e também é “possivelmente perigoso quando utilizado em quantidades excessivas” e não deve absolutamente ser usado durante a gravidez, já que “constituintes de maracujazeiro mostram evidências de estimulação uterina”, o que poderia provocar um aborto.
Esse mesmo banco de dados sugere que o composto em questão é possivelmente eficaz para transtornos de humor, ansiedade e abstinência de opiáceos, mas “pode causar tonturas, confusão, sedação e ataxia” e há alguns relatos de efeitos colaterais mais graves, incluindo vasculite e consciência alterada. Ou seja: requer um certo cuidado ao ser prescrito.

Parte 2 do caso João de Deus

Na Parte 2 da matéria, Usher afirmou que houve duas mortes nos últimos anos na “Casa” que justificam as investigações, mas ninguém sequer foi acusado.
Ele também informou que, em 2010, quando João visitou Sedona, no Arizona (Estados Unidos), o departamento de polícia o investigou porque uma mulher disse que ele pegou as mãos dela e as colocou em seus órgãos genitais; João também teria tentado colocar a mão embaixo da saia dela. O caso nunca foi ao tribunal; um de seus associados incentivou a mulher a desfazer as acusações. Sabe-se lá que incentivos foram esses.

O que João tem a dizer em sua própria defesa?

O jornalista australiano tentou entrevistar João, mas ele acabou ficando muito irritado depois que Usher perguntou se João se interessava mais pelo dinheiro do que pelos milagres e se ele já havia agredido sexualmente algum de seus pacientes. A matéria mostra que João foi embora, respondeu sarcasticamente para o intérprete e depois voltou para a entrevista insistindo para ver o que havia sido gravado. Suspeito.
Mas isso não foi tudo.
Em 10 de fevereiro de 2005, foi ao ar no horário nobre da televisão norte-americana uma entrevista muito mais cordial de João de Deus, conduzida pelo repórter John Quiñones, que também entrevistou o milagreiro Oz e o médico James Randi. Nessa ocasião, Oz falou de uma “técnica” que envolvia colocar uma pinça no nariz das pessoas para ver se isso teria alguma influência sob medicamentos tomados.
Essa especulação obviamente não faz sentido anatômico, mas os telespectadores não tiveram acesso a essa informação esclarecida pelo Dr. Randi, porque o horário nobre escolheu colocar no ar apenas os 19 segundos em que o médico protestou contra João de Deus, declarando-o um charlatão.
Embora Quiñones seja um jornalista premiado, o saldo dessa entrevista acabou sendo um desserviço aos seus telespectadores, por não explorar os dois lados da história.

Conclusão

Ao relatar João Teixeira de Faria, Oprah e Quiñones selecionaram informações para incentivar o pensamento positivo de que Deus e os espíritos usam um homem sem instrução como um canal para a cura sobrenatural.
Em contraste, tanto o levantamento realizado em 1998 quanto o de 2014 por parte do australiano foram baseados em um ceticismo saudável e permitiu os espectadores compreendessem os méritos de pontos de vista contrastantes. Em seu relatório, Michael Usher reconheceu o valor da esperança, mas também observou que ela pode ser uma fraqueza, transformando as pessoas em presas fáceis e vulneráveis para o pior tipo de seres humanos.
João de Deus é um homem que afirma fazer milagres e curar os doentes. Ele se chama João de Deus, mas não há nada de divino nele. Milhares de pessoas o procuram na esperança de uma cura para a sua dor, mas acabam sendo esfolados na hora de pagar a conta. Ele se vende como a suposta cura de Deus, mas não o faz de bom grado. Muito pelo contrário. Ele é um homem de negócios parcimonioso que ganha dezenas de milhões de dólares com a fé e o desespero alheio. Posso estar enganada, mas não vejo nada de nobre nisso. [RandiRD]
https://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-unico-milagre-de-joao-de-deus-um-charlatao-milionario-foi-enganar-tanta-gente-por-tanto-tempo/

________________________++++++++++++++++++___________________

Michel Temer foi “paciente” do médium João de Deus

O médium João de Deus, que diz fazer cirurgias espirituais através de entidades incorporadas, ostenta longa carteira de pacientes estrelados —de políticos a celebridades, brasileiros e estrangeiros. Da apresentadora americana de TV Oprah Winfrey ao atual presidente da República, Michel Temer (MDB).
Sua fama mundial começou em 1991, quando a atriz americana Shirley MacLaine —vencedora do Oscar pelo filme “Laços de Ternura” (1983)— tratou um câncer na região abdominal com João Deus. A bilionária apresentadora só ficou sabendo do médium, no entanto, quando entrevistou o psicoterapeuta Wayne Dyer, que afirma ter sido curado de uma leucemia por ele.

O empresário Marcus Elias, dono da Laep Investments, ex-controladora da Parmalat e da Daslu, é uma das figuras mais próximas de João de Deus.

Foi ele quem apresentou ao médium personalidades internacionais como a modelo Naomi Campbell e fez pontes para que os ex-presidentes Lula e Dilma e tantos outros políticos de diferentes matizes ideológicos recebessem tratamento espiritual pelas mãos do homem que fez de Abadiânia (GO) uma Meca de peregrinos.
Gente de todas as classes sociais e dos mais diversos cantos do planeta que batia às portas da Casa de Dom Inácio de Loyola (padre jesuíta cujo espírito João diz incorporar) em busca de milagres e alívio para todos os tipos de males e dores.
Em 2012, Oprah decidiu vir até a cidadezinha de 15 mil habitantes, dividida ao meio pela BR-060, rodovia que liga Goiânia a Brasília, para conhecer o trabalho de alento e cirurgias espirituais. Lá, ela teria meditado, orado e testemunhado as tais cirurgias, na chamada sala da entidade.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Com o AI-5 a ditadura tentou destruir a inteligência brasileira

 A censura imposta pelo AI-5 não impediu que  a música "Apesar de Você" virasse um dos hinos contra a ditadura
Quando medido em números, o ataque promovido pela ditadura militar de 1964, acentuado após a edição do Ato Institucional nº 5 (AI-5) contra a cultura brasileira é arrasador. 

A ação da censura, fortalecida depois do AI-5, atingiu milhares de obras, mas seus autores nunca cederam à arbitrariedade.

Por José Carlos Ruy*

O AI-5 deu poderes ditatoriais ao general que ocupasse a presidência da República. Sancionou o estado terrorista dando plenos poderes para a repressão, cuja ação ficava completamente à margem da lei. Agindo sem nenhum controle, de maneira arbitrária, para perseguir, prender, torturar e assassinar lutadores da democracia que nunca aceitaram as imposições totalitárias, cujo exemplo sangrento foi o assassinato, sob tortura, do jornalista Vladimir Herzog, em outubro de1975.

Nos 10 anos de vigência daquele ato ditatorial foram censuradas cerca de 22 mil peças de teatro (700 foram proibidas na íntegra e outras centenas tiveram algum tipo de corte), disse a pesquisadora Miliandre Garcia ao jornal Valor Econômico, na edição do dia 07.12.2018. Em torno de 500 filmes (muitos estrangeiros) foram proibidos, quase sempre por questões morais ou religiosas – como "Último Tango em Paris" (1972), de Bernardo Bertolucci. Foram também proibidos nada menos de 430 livros, entre eles 92 de autores brasileiros. Na música popular, a sanha policialesca atingiu centenas de canções que tiveram suas letras vetadas, transformando nomes como Chico Buarque, Caetano Veloso ou Gilberto Gil em símbolos da luta pela liberdade de expressão. A música “Apesar de você”, de Chico Buarque de Holanda, de 1970, tornou-se uma espécie de hino da luta contra a censura e a ditadura – ela se referia ao ditador general Emílio Garrastazu Médici, e foi apresentada à censura sob pseudônimo; quando o ardil foi descoberto, tropas do Exército invadiram a gravadora Philips para apreender e destruir os discos, dos quais já haviam sido vendidas mais de 100 mil cópias.

Outro símbolo da ação policial contra a liberdade de expressão foi a imprensa, com o agravamento da censura depois do AI-5. Jornais como O Estado de São Paulo cobriam os “buracos” abertos pela tesoura dos censores com receitas de bolo (que não funcionavam...), trechos de poemas de Camões ou, no caso do Jornal da República, por figuras de diabinhos. A violência foi mais aguda contra a imprensa alternativa. "O Pasquim", "Opinião" – que teve 5 mil páginas publicadas e 5 mil vetadas -, “Movimento” – censurado desde o número zero, e que a cada vez precisava produzir o dobro de matérias para fazer uma única edição – foram os alvos da ditadura.

A universidade brasileira foi atingida de maneira dura por aqueles que tentaram destruir a liberdade de ensino, pesquisa e pensamento, e 66 professores foram expulsos atingidos pelo AI-5, entre eles o futuro presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, sociólogos como Florestan Fernandes e Otávio Ianni, as historiadoras Maria Yeda Linhares e Emília Viotti da Costa – professores de grande mérito cujo afastamento foi uma grande perda para a universidade brasileira.

A luta da inteligência brasileira contra a censura, e as violências cometidas depois da edição do AI-5, foi intensa e nunca cedeu. Foi, diz o historiador Marcelo Ridenti, "uma reação ainda à meia voz, foi se criando uma cultura alternativa muito viva que só fez crescer".

Ameaça semelhante é enfrentada pelos democratas e progressistas brasileiros desde o golpe de 2016 que afastou a presidenta legítima Dilma Rousseff. Desde então se acentua a perseguição contra exposições, obras de arte, o pensamento livre e a liberdade de ensino. Cresce a intolerância contra aqueles que divergem dos golpistas e do pensamento de direita que passou a prevalecer. Intolerância que cresce desde a eleição do direitista Jair Bolsonaro para a presidência da República. E traz novamente a ameaça de medidas do teor do AI-5 contra a inteligência brasileira.


 *José Carlos Ruy é jornalista, escritor e colaborador do Portal Vermelho.

REFLEXÃO DOS NOSSOS ATOS: NOVA CRUZ-RN: PARA TERMOS UMA CIDADE LIMPA, PRECISAMOS FAZER A NOSSA PARTE! SEJA LIMPO!!!


NOVA CRUZ/RN:  Reporto-me hoje a fazer uma matéria que espero que sirva para uma reflexão para os nossos munícipes, incluindo EU! LIMPEZA PÚBLICA! Criticamos muito que a nossa cidade não é limpa, que o carro do lixo demora a passar, etc, etc,  Mas e nós? Fazemos a nossa parte?

Pois vejamos, as fotos acima refletem uma avaliação por parte de todos nós, seja o cidadão comum, seja os comerciantes em geral. Quando chegamos em uma lanchonete, soverteria ou mesmo uma padaria, compramos, bebidas, lanches e entre outras coisas e muitas vezes consumimos-as no mesmo lugar ou sairmos comendo. Mas ONDE COLOCAMOS O LIXO? (copos. latinha  ou mesmo os sacos plásticos? Muito destes estabelecimentos tem lixeira, se não tiver devemos cobrar e se sairmos comendo, TEMOS O DEVER DE COLOCARMOS O LIXO NA PRÓPRIA SACOLA QUE PEGAMOS NO ESTABELECIMENTO EM QUE COMPRAMOS.e colocarmos em uma lixeira e não jogarmos na rua, isso para mim além de ser errado, é uma falta de educação sem tamanha, como também uma SUJEIRA que estamos cometendo.

E as consequências???? Entupimentos de esgotos, doenças, pois de imediato começa a fender, causando, mau cheiro e com isso vem as doenças e os transtornos para os vizinhos que ficam com seus esgotos entupidos, ACHAM ISSO CORRETO?

Também é verdade que o caminhão do lixo em NOVA CRUZ vem passando normalmente, mas o POVO/NÓS ainda não aprendemos a cooperar, não é verdade?

Por isso, VAMOS FAZER UMA REFLEXÃO E MUDARMOS OS NOSSOS ATOS. Colaborando com os que fazem a limpeza de nossa cidade, começando a separar plásticos dos papéis e os papeis das comidas para que os trabalhadores da limpeza publica possam facilitar a sua separação e o manuseio.

Lembre-se! CIDADE LIMPA, É CIDADE DE POVO LIMPO! Ajude e colabore com os funcionários da LIMPEZA DE NOVA CRUZ/RN.

Abraço,

EDUARDO VASCONCELOS
Morador 

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Governo ‘anticorrupção’ tem 9 de 22 ministros enrolados com a Justiça

Resultado de imagem para imagem Governo ‘anticorrupção’ tem 9 de 22 ministros enrolados com a Justiça
Não só com generais e lunáticos indicados por Olavo de Carvalho caminha o corpo ministerial de Jair Bolsonaro. Chegou a vinte e dois o número de ocupantes anunciados pelo governo de transição, sete a mais que o prometido pelo staff bolsonarista em campanha.
Para um presidente que chegou ao poder erguendo bandeira contra a corrupção e o crime, chama atenção que tantos indicados tenham pendências com a Justiça.
Ao menos nove dos futuros ministros anunciados até agora são investigados ou réus em ações judiciais. A lista vai do caixa 2 confesso por Onyx Lorenzoni (DEM) ao calote no INSS do desconhecido deputado Marcelo Álvaro (PSL), futuro ministro do Turismo.
Alguns se livraram dos problemas porque os processos caducaram, caso de Marcos Pontes, outros devem ir à julgamento em pleno exercício do poder.
Confira:
RICARDO SALLES: RÉU POR CRIME AMBIENTAL (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Ricardo Salles (Meio Ambiente)

Ex-secretário particular de gestão Alckmin no governo de São Paulo, foi candidato a deputado sob promessas de atuar ‘contra a esquerda e o MST (o número era uma alusão ao calibre de munição para espingardas). É réu por improbidade administrativa, sob a acusação de ocultar mudança nos mapas de zoneamento ambiental do Rio Tietê. uma multa de 50  milhões de reais.
Também responde a uma acusação de dano ao erário público por ter ordenado a retirada de um busto do guerrilheiro Carlos Lamarca do parque estadual do Rio Turvo, na cidade de Cajati.
Mais recentemente, a Procuradoria Regional Eleitoral o processou por abuso de poder econômico nas eleições.

Tereza Cristina (Agricultura)

É investigada por suposto favorecimento à JBS quando era secretária do agronegócio no Mato Grosso do Sul. Delações de executivos dão conta de que, ela ofereceu benefícios fiscais à empresa no estado. Nessa época, ela mantinha parceria agropecuária com a empresa. Teresa nega as acusações.
A futura ministra e a mãe foram processadas pela JBS por calote no arrendamento de um terreno. O caso corre em segredo de Justiça.
A deputada é líder da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) e dona de 1100 hectares de terra no Mato Grosso do Sul. O patrimônio dela cresceu quase 500% desde as eleições de 2014, conforme declarado ao TSE.

General Heleno (Segurança Institucional)

A nomeação foge à promessa bolsonarista de controle dos gastos públicos. Em 2013, o militar foi condenado pelo TCU por assinar contratos irregulares no valor de R$ 22 milhões de reais. Uma investigação constatou problemas nos acordos – sem licitação – com duas empresas de TI para realização V Jogos Militares no Rio de Janeiro.
Para o tribunal, não ficou clara a necessidade de investimentos tão vultosos em um setor de mero apoio à realização de um evento esportivo.

Onyx Lorenzoni (Casa Civil)

Conhecido pelo discurso linha-dura contra a corrupção, o homem forte de Bolsonaro admitiu ter recebido caixa 2 da JBS. Ele reconhece ter recebido 100 mil reais para a campanha de deputado em 2014. Os executivos da empresa dizem ter repassado o dobro. Independentemente, o importante mesmo é que Sergio Moro já o perdoou.
DAMARES ALVES: FUNDOU ONG INVESTIGADA POR ATUAÇÃO CONTRA INDÍGENAS (FOTO: VALTER CAMPANATO/EBC)

Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos)

A ONG Atini, que ela ajudou a fundar, é alvo de duas investigações do Ministério Público por discriminação contra os povos indígenas. Na mais antiga delas, de 2014, os procuradores exigiram o retorno à aldeia de uma adolescente indígena que, segundo o MP, foi entregue a moradores da cidade de Volta Redonda por membros da Atini e de uma outra ONG missionária, a Jocum (Jovens com Uma Missão).
Em 2015, foi movido um processo de danos morais coletivos contra essas mesmas entidades pela execução um documentário. No filme, crianças e e adultos Karitiana foram coagidos a dramatizar o infanticídio – mas a prática não apenas não existe, como é reprimida pela tribo. O material teve a exibição proibida e os procuradores pedem indenização de 1 milhão de reais.

Luiz Henrique Mandetta (Saúde)

É investigado por suposta fraude em licitação, caixa 2 e tráfico de influência. O Ministério Público Estadual apura irregularidades em contratos da implantação de um sistema informatizado na prefeitura de Campo Grande (MS). Mandetta era secretário de Saúde na época.
MARCOS PONTES: VIAGEM AO ESPAÇO VIROU FONTE DE RENDA (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia)

Depois de passar sete anos treinando com a Nasa, o astronauta-ministro rompeu a atmosfera em uma nave russa cuja ‘carona’ foi paga pelos governo do PT. O plot parece saído de um filme B da guerra fria. Mas Pontes é um capitalista habilidoso.
Em 2006, o Ministério Público Militar passou a investigá-lo por envolvimento em atividades comerciais – vedado pelo código militar ao oficiais na ativa. Estava em jogo a relação com a Portally, empresa de palestras fundada pela assessora dele. Embora tenha negado tudo na época, ele assumiu sociedade majoritária da empresa assim que o processo caducou. O caso foi revelado em primeira mão pelo site The Intercept Brasil.
Além dos livros, travesseiros, chaveiro, camisetas e outras bugingangas, ele fatura com a empreitada por meio de outras duas empresas: a Fundação Astronauta Marcos Pontes, cuja genérica missão é “motivar e dar oportunidade de educação aos nossos jovens” e uma agência de turismo que oferece até pacotes de viagens ao espaço.

Marcelo Álvaro Antonio (Turismo)

Antonio, cujo nome verdadeiro é Marcelo Henrique Teixeira Dias, consta como sócio da Voicelider, empresa com dívida ativa de 59,9 mil reais no INSS. Curiosamente, o número no CNPJ está errado na declaração que ele prestou ao TSE. O Banco do Brasil também cobra dívidas da empresa na Justiça.
Antonio e familiares constam como réus em duas ações de usucapião que tramitam na justiça mineira. Há ainda uma penal de 2003, sob a qual ele e o irmão respondem pela venda de lotes que não os pertenciam e não estavam autorizados pela prefeitura. O julgamento está marcado para o dia 5 de fevereiro.
PAULO GUEDES: NA MIRA DO MPF (FOTO: FABIO POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL)

Fonte: REVISTA FÓRUM

Paulo Guedes (Economia)

Está nos fundos de pensão o calcanhar de aquiles do superministro de Bolsonaro. Guedes é alvo da Operação Greenfield por suspeitas de gestão fraudulenta dos fundos de pensão de empresas estatais. O Ministério Público diz que Guedes auferiu comissões exageradas na administração desses investimentos.



Em 2007, o CVM penalizou um fundo gerido por ele por negociar papéis com informações privilegiadas. Essa prática é chamada de ‘insider trading’ e considerada crime. Consta no processo que Guedes lucrou 592 mil reais com a transação.