SOU FORTE, SOU GUERREIRO, SOU BRASILEIRO!

SOU FORTE, SOU GUERREIRO, SOU BRASILEIRO!
Enquanto Houver Razões Eu Não Vou Desistir

domingo, 14 de fevereiro de 2016

HOMOFOBIA

“Reconhecer a complexidade que envolve a problemática social, cultural e étnica é o primeiro passo no reconhecimento da diversidade”. (Toni Reis- Presidente ABGLT)
A cultura nos educa a determinados padrões que temem ser questionados, mas o mundo não para de provar que as coisas não estão prontas e acabadas, sendo muito mais complexas do que as regras criadas pela sociedade.
Ao longo do tempo, os perfis e papéis de homens, mulheres, grupos sociais, culturais e religiosos são traçados e transmitidos através da educação. Entretanto, esses conceitos não são estáveis, eles mudam de acordo com a época, o local, a cultura, o sistema político e as pessoas envolvidas em determinado período da história. Algumas dessas visões acabam persistindo por bastante tempo, outras vivem em constante transformação. O Machismo, por exemplo, existe desde a pré-história e até hoje é sustentado por muitas culturas e religiões, mas a sociedade está mudando, através de muitas mobilizações e protestos as mulheres já conquistaram muitos dos seus direitos e continuam na luta pela igualdade.

Você já ouviu falar em Homofobia, Lesbofobia e Transfobia?

A Homofobia, a Lesbofobia e a Transfobia se caracterizam por um conjunto de fatores, como o medo, a aversão, a discriminação e o ódio em relação aos(às) homossexuais, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis e podem desencadear atitudes como rejeição, violências verbais, psicológicas, emocionais, físicas e até o homicídio de pessoas LGBTT.
Mesmo se você nunca ouviu falar, certamente já presenciou alguma situação em que uma dessas violências aconteceu. Assim como o Machismo, a Xenofobia, o Racismo, o Bullying e tantos outros preconceitos, são sinais de que a nossa sociedade cria rótulos, mas educa muito pouco para o respeito às diferenças e igualdade de direitos.

Você já parou para pensar na Diversidade dos seres humanos?

Somos uma população mundial de mais de 7 bilhões de pessoas, com milhares de costumes, etnias, crenças, culturas, situação socioeconômica e pensamentos diferentes um dos outros, pois somos único! Se não aceitamos a diferença do(a) outro(a), não aceitamos a nós mesmos(as).
A falta de informação, conhecimento e reflexão das pessoas acaba determinando um mundo “normatizado”, que na verdade, não existe. A sociedade está em movimento e as pessoas estão em constante transformação a todo instante, assim fica quase impossível definir padrões e comportamentos únicos. Por isso, o respeito as diversidades deve existir em qualquer situação.

Você sabia que...

“A sexualidade humana não é uma característica imutável, e assim como as demais características humanas, a sexualidade também pode ser readequada ao longo da vida, de acordo com as experiências de vida do sujeito”. Se pesquisarmos na internet ou em livros, vamos encontrar registros da existência da homossexualidade durante toda história, na Grécia antiga, Platão e Xenofonte já relatavam alguns costumes e práticas homossexuais da época. No Brasil do século XIX, os escritores Adolfo Caminha e Aluízio Azevedo também trataram desse assunto em suas obras.
Como acabamos de ver, a homossexualidade sempre existiu, o que muda é a forma como a sociedade olha, compreende e respeita. A comunidade LGBTT vem lutando pela garantia dos seus direitos a igualdade e respeito, mas também, infelizmente vem sofrendo muitos preconceitos, discriminações e situações de violência.

Conquistas LGBTT

O casamento gay acaba de ser regulamentado no Brasil e alguns casais já conseguiram na justiça a possibilidade de adotarem crianças e adolescentes, mas ainda há muito a ser conquistado.
O PLC (Projeto de Lei da Câmara) nº 122/06 que visa criminalizar a discriminação pela orientação sexual ou identidade de gênero, atualmente está na Comissão de Direitos Humanos, aguardando a sua votação.
Enquanto isso, as lutas continuam... o movimento vem ganhando força e visibilidade e a comunidade LGBTT cada vez mais, conseguindo exercer seus direitos humanos fundamentais.
 
“Nós vivemos em um universo único, repleto de diversidades, desejos, comportamentos e estilos de vida. Onde cada sujeito deve ser naturalmente respeitado, independente de sua escolha, crença, filiação ou orientação sexual". (Amanda Franco- Reprolatina)
Fonte: Adolescência.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário